Arquivos

Alias Grace, nova produção da Netflix.

Foi divulgado o teaser da série Alias Grace, produção também adaptada de uma obra de Margaret Atwood, escritora de “O conto da aia”, que deu origem ao sucesso The Handmaids Tale, do canal Hulu.
Alias Grace será transmitida pelo canal canadense CBC e distribuída mundialmente pela Netflix.
Adaptada do livro baseado em fatos reais, Vulgo Grace, de 1996 e publicado no Brasil em 2008 pela editora Rocco, a série de 6 episódios conta a história de Grace Marks (interpretada por Sarah Gadon) e se passa no século XIX, no Canadá.
A protagonista será uma imigrante irlandesa acusada juntamente com outro empregado, de assassinar seu patrão e Nancy – sua amante grávida, que também é governanta da casa onde trabalha. Importante ressaltar que Nancy será interpretada por Anna Paquin.
Com data de estreia prevista para 25 de setembro estima-se que a produção esteja disponível simultaneamente na Netflix.

Se for metade do que The Handmaids Tale foi, promete!

Gypsy, nova série da Netflix.

Imagem10

Dei uma pausa na minha maratona pessoal de Gossip Girl (sim, estou vendo novamente pois acompanhar uma série no período A.N – antes Netflix – era difícil, eu perdia vários episódios, enfim) para assistir a Gypsy, série produzida pela Netflix e estrelada por Naomi Watts.
Como já falei para vocês aqui, a trama gira entorno da psicóloga Jean Holloway e a maneira como ela interage com seus pacientes e família. E sim, falando assim parece bem sacal e apesar de ser exatamente isto, Gypsy é uma série densa e Jean uma personagem extremamente complexa.
O 1o episódio empolga muito, possui um dinamismo excelente, já o restante, nem tanto. O ritmo passa a ser muito lento e mesmo com a trama cativante, a série fica um tediosa, digna de cochilos. Pontos ficaram pouco explicados, incluindo a personalidade e passado dos personagens – apesar dos minutos em excesso por episódio.
Com a “enrolação” a produção perdeu um pouco o “encanto”. E no season finale, a quantidade de pontas soltas deixa claro que as apostas da produção para uma segunda temporada foram altas.
Merecem destaque a trama envolvendo a questão de gênero da filha de Jean, e a atuação de Billy Crudup, no papel de marido da personagem principal. Vemos o ator roubando a cena de Naomi Watts diversas vezes, mesmo achando que acertaram na escalação da atriz (apesar da minha implicância pessoal com o trabalho dela). No geral é uma série de boa qualidade, bem dirigida (surpreendente, já que estamos falando do mesmo diretor do vergonhoso 50 tons de cinza) e com ótima fotografia, mas com alguns furos graves de roteiro. Se o objetivo era demonstrar que todo ser humano possui um lado psicologicamente perturbado e inúmeros segredos, este objetivo foi atingido – mesmo que de forma exagerada e sem muito contexto.
Não há uma 2a temporada confirmada mas, sinceramente, não seria nenhuma surpresa caso não houvesse renovação.

Atypical, nova série da Netflix.

@netflixbrasil divulgou em sua página o trailer de Atypical, sua nova produção, protagonizada por Keir Gilchrist. Fiquei curiosa para assistir, aborda as dificuldades de um adolescente com espectro de autismo e parece ter “uma pegada” de 13 Reasons Why, só que de uma forma mais positiva. Estreia logo logo dia 11 de agosto! Vamos conferir.
Ps. Me parece que a atriz que interpreta a Paige é a Jenna Boyd, a Bailey de Quatro amigas e um jeans viajante. Olha o tamanho dela! To ficando 👵🏼!

Indicados ao Emmy 2017

Imagem6

Semana passada foram divulgados os indicados ao Emmy deste ano, que vai acontecer dia 17 de setembro, em Los Angeles – Califórnia (aqui no Brasil o evento provavelmente será transmitido pelo canal de tv a cabo Sony, mas é possível acompanhar pelo YouTube do evento).

Dentre os indicados estão várias séries que assisto e já falei sobre para vocês (e se não citei alguma deveria ter feito) como: Stranger Things, This is Us, Modern Family, Big Little Lies, Feud (que ainda não assisti mas está na lista), The Night Of, Orange is the new black, The Crown (mtas indicações!) e meu mais novo xodó The Handmaids Tale (destaque para Alexis Bledel / Rory como atriz coadjuvante!). Quais são suas apostas?!

Para ver a lista completa de categoria e indicados acesse: www.omelete.uol.com.br
Em tempo: Game of Thrones não está concorrendo este ano, devido ao grande intervalo entre temporadas, pois já concorreu com a 6a temporada ao Emmy de 2016.

Estreia de Game of Thrones

Imagem5

Ontem foi ao ar depois de uma loooonga espera, o primeiro episódio da sétima temporada de Game Of Thrones. Fazendo um review bem por alto para não dar spoilers, vimos no previously um recap dos acontecimentos (bem antigos até) ocorridos com a família Stark, e tivemos uma cena pré crédito pra lá de maravilhosa e empolgante. Ficou a sensação de que ao longo desta temporada veremos uma “redenção” dos Starks, algo muito aguardado pelos fãs da série.
No geral o episódio foi bastante introdutório, abordando e situando praticamente todos os núcleos e seus passos seguintes, e apesar de uma certa enrolação com Sam em Citadela, foi bem dinâmico.
Alguns pontos merecem ser destacados: os períodos que Sansa passou ao lado de Jeoffrey e Ramsay podem ter afetado mais a personagem do que esperado (teremos uma nova Cersei?); tivemos uma ideia do que Jon Snow irá enfrentar em sua batalha com o Rei da Noite e foi difícil não se arrepiar com Daenerys na cena final.
Sem dúvidas, esta temporada promete.

Gypsy, a nova série da Netflix.

Está disponível na Netflix a série Gypsy. Criada por Lisa Rubin e com Naomi Watts no papel principal, a trama conta a história de Jean Halloway, uma psicóloga renomada e que aparentemente possui uma vida estabilizada; casada com o advogado Michael Halloway, com quem tem uma filha, Jean começa a desenvolver relacionamentos ilícitos e conturbados com seus pacientes e pessoas ligadas à eles.
Com 10 episódios, o thriller psicológico mostra uma mulher tomando atitudes extremas e sucumbindo ao desejo – algo que pode colocar tudo a perder.
Apesar de uma certa implicância com a atriz, estou curiosa sobre a série, me interesso bastante por suspenses inteligentes, o que me parece ser o caso. À conferir!

Sense 8 retornará para um episódio final de duas horas!

@netflixbrasil@netflix confirmou e @sense8 voltará para um episódio final especial de duas horas! Felicidade para os fãs, que assim como eu, queriam respostas (e o Wolfgang a salvo❤️)!

Ponto pra netflix que ouviu as milhões de reclamações dos fãs – especialmente brasileiros – e decidiu dar um fechamento para a série!

Agora é só aguardar!

The Handmaid’s Tale, nova série do Hulu

The-Handmaids-Tale

Precisamos falar sobre The Handmaid’s Tale, a nova série do Hulu, plataforma similar ao Netflix. Baseada no livro “O Conto da Aia”, lançado em 1985 por Margareth Atwood, a série encerrou recentemente, sua 1ª temporada de 10 episódios com louvor. A história –uma distopia – acontece nos EUA, em um mundo pós-terrorismo onde mulheres encontram inúmeras dificuldades para gerar filhos.

Após um atentado terrorista assassinar o Presidente e outros importantes políticos, uma facção católica extremista toma o poder, transformando o país na República de Gilead. Um regime totalitário e patriarcal baseado nas leis do antigo testamento é implementado, extinguindo os direitos das minorias e mulheres. Neste contexto e com base nas passagens bíblicas, é criada a categoria de “aias”, mulheres férteis cuja única função é procriar.

A personagem principal da série é Offred/June, interpretada maravilhosamente por Elisabeth Moss (merecedora do Emmy, sem dúvida alguma!). Capturada enquanto tentava fugir para o Canadá com seu marido e filha, June torna-se uma Aia, após um rigoroso treinamento envolvendo torturas físicas e psicológicas. Designada para um comandante do alto escalão, passa a se chamar Offred, e é daí que a história se desenrola.

O elenco que conta com nomes como Alexis Bledel (Rory Gilmore), Joseph Fiennes, Samira Wiley (a saudosa Pussey de OITNB), e Ann Dowd dentre outros, é excelente em sua totalidade, com todas as atuações dignas de destaque. Bem escrito, bem dirigido e com uma fotografia impecável, The Handmaid’s Tale vem ganhando grande destaque não apenas pelos motivos já citados, mas também pelas questões feministas e sociais abordadas, principalmente com o conturbado cenário político dos EUA de Trump.

Vejam a série e tirem suas conclusões. Em breve começarei a leitura quase obrigatória do livro – e claro, contarei para vocês o que achei. Assistam!
Ps. Destaque para o ep8, melhor cenografia e trilha sonora + direção que vi em muito tempo!

25handmaid-slide-OKAV-master768