The Affair e a polêmica 4a temporada:

12affair-recap-articleLarge

Unicamente para atender a um (mau) hábito que adquiri na “Era Pós-Netflix”, onde passei a assistir a temporada de uma série inteira em sequência, aguardei o fim da 4a temporada de The Affair para começar a vê-la. Péssima, péssima ideia.

– ALERTA SPOILERS –

Por mais que eu tente normalmente fugir de spoilers de séries, nunca achei que um dos mais surpreendente deles aconteceria com The Affair. Bastou o episódio 9 ir ao ar para toda a especulação em torno da saída da atriz Ruth Wilson, que interpreta Alison, ganhar forma e vir à tona violentamente. Inusitadamente, fiquei sabendo do destino da personagem por um amigo. A partir daí fui me informar melhor sobre o ocorrido e sim, comecei a assistir aos episódios imediatamente.

Mesmo com toda a polêmica divulgada na mídia envolvendo a saída da atriz – desigualdade salarial com o ator Dominic West, divergências com a produção, grande número de cenas – ao terminar de assistir o episódio 9, onde em uma cena bizarra e maravilhosa Noah e Cole são avisados da morte de Alison (aliás foi o momento em todo o seriado que mais demostrou a diferença de personalidade entre eles), e depois de acompanhar todo os arco dos personagens durante a temporada, achei a morte de Alison muito pertinente e verossímil dentro do roteiro. De uma forma bastante triste, é verdade, mas entendam: estávamos diante de uma personagem que já tinha sofrido vários abusos, foi sexualizada por todos a vida inteira, perdeu um filho em um acidente trágico e culpava-se por isto, tinha uma mãe irresponsável e desorganizada emocionalmente, descobriu ser filha de um estupro de um pai que reaparece quase 40 anos depois querendo um órgão seu (que novela mexicana esse plot do pai né?!), além de um quadro de depressão crônica; portanto um suicídio pertencia ao histórico da personagem. Fechava – tristemente – um ciclo de uma vida dura e extremamente infeliz.

Antes que eu leve uma bronca por dizer algo irresponsável: suicídio não é resposta para nada, não é solução e se você está passando por algo, por menor que seja, procure ajuda! Depressão é algo sério que precisa ser tratado, ok?! Estamos no “setembro amarelo” e quanto mais nos ajudarmos, menos sofreremos com esta dor que só quem passou ou passa, sabe o quao difícil é. Caso queira conversar com alguém procure o CVV (Centro de Valorização da Vida): https://www.cvv.org.br/ da sua cidade.

Voltando ao review….

Mas aí veio o season finale… e revolta é pouco perto do que eu senti.

Primeiro, vimos a mudança drástica que tivemos na estrutura da série, onde ambas as perspectivas que assistimos  no ep10 eram de Alison, porém uma tratava-se da realidade e a outra uma distorção dela, ou até mesmo uma fantasia. Minha interpretação é que a “verdade” está em algum ponto entre as duas narrativas. Segundo: entregaram a um personagem que não tinha nenhuma importância, carga ou envolvimento com o enredo, a responsabilidade de ser o assassino de uma das personagens principais. E mesmo com todo o descontrole dito – mas não mostrado – pertencente à Ben, a cena do assassinato de Alison foi algo “non-sense”, dentro de uma série que sempre abordou assuntos e relacionamentos cotidianos de forma crua e pragmática.

Terminei a temporada, e me dei conta que parecia que eu havia voltado dez anos na minha vida e estava assistindo mais uma vez à morte de Marissa em The O.C. E Alison – assim como Marissa – é uma personagem que possui tanto peso para a trama, que é impossível seguir com a série por mais uma temporada sem que a mesma tenha a sua presença, ou seja: é necessário lançar mão do recurso “quem matou x justiça x vingança” para que o roteiro se mantenha. Assim, Alison não está mais presente, mas o que já vimos e provavelmente iremos ver na 5a e última temporada é a forma como sua ausência afetará os demais personagens da trama, como eles reagirão à sua morte. O que é lamentável para uma produção como The Affair.

Mas vou mudar o foco negativo para o principal ponto positivo desta temporada: a atuação de Joshua Jackson e o excelente desenvolvimento de seu personagem, Cole. Minha adolescente interna tem uma queda pelo ator desde o Pacey de Dawson’s Creek, e até mesmo eu fiquei surpresa com a brilhante atuação feita por ele. A carga dramática do personagem não foi pequena, e no decorrer dos episódios vimos o personagem de Cole amadurecer simultaneamente com o desempenho do ator. Na minha opinião, ele merece um prêmio ou ao menos uma indicação por esta temporada.

Concluindo, é claro que irei assistir à ultima temporada de The Affair, mas admito que as minhas expectativas estão as mais baixas possíveis. Como fã, torço por justiça para Alison e um final feliz para Cole. Já do outro casal de protagonistas – Helen e Noah – eu não consigo nem pensar em algo, minha sensação é que seus plots ficaram apagados diante da morte de Alison e do desenvolvimento de Cole, mesmo com a sempre maravilhosa atuação de Maura Tierney. À aguardar, e torcer por um maior empenho dos roteiristas e redatores, para que a série tenha um encerramento digno de sua qualidade.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *